A oralidade na psicose: considerações clínicas de M. Czermak

Home/A oralidade na psicose: considerações clínicas de M. Czermak
A oralidade na psicose: considerações clínicas de M. Czermak[1]

André V. L. Niffinegger

Psicanalista e membro da ELP-Brasília

RESUMO: Para abordar a oralidade na psicose em sua dimensão psicopatológica, a clínica do divã cede o passo à clínica em instituição psiquiátrica, local por excelência para a escuta do paciente psicótico. Para isso, será indispensável galgar aos ombros de gigantes. Marcel Czermak, contemporâneo de Lacan e seu colega no serviço psiquiátrico do hospital Sainte-Anne, é um desses gigantes que não se desencorajou frente ao desafio de descrever as estruturas psicóticas por meio da articulação das máximas e conceitos lacanianos com a realidade do tratamento clínico. Em artigos do seu livro Patronymies, considérations cliniques sur les psychoses, M. Czermak estuda a oralidade e sua estruturação nas categorias nosográficas da mania e da melancolia – em especial a síndrome de Cotard. Nesse contexto, questiona se há justificativas para teorizar a pulsão na psicose nos mesmos termos em que se estrutura na neurose. A partir da leitura dos artigos recolhidos em Patronymies, proponho apresentar o modo como o autor problematiza o registro da oralidade e a indistinção (despécification) da pulsão oral na psicose a partir de casos clínicos.


Excertos clínicos

“(…) fui hospitalizada em urgência porque tive a impressão de que eu comia meu corpo. Foi muito doloroso.” É o que diz Cary, diagnosticada com psicose alucinatória crônica. Sua impressão é imaginária; porém, de que ordem é a percepção da mastigação do corpo? A frase “comia meu corpo” remete à eucaristia: “Tomai e comei, isto é o meu corpo”. No caso de Cary, a expressão simbólica da presença divina cede lugar à automastigação, percebida como real.

Doly está em menopausa e sofre de dores lombares. Um tratamento via oral por células embrionárias desencadeia um delírio de fecundação: um embrião passeia por seu corpo e produz distúrbios de que ela se queixa. Apesar da confusão de orifícios e da errância do embrião, ela não duvida de sua experiência de um objeto realmente presente.

Sofrendo da síndrome de Cotard, Aki nega as funções orais: “Não tenho uso da fala, às vezes não consigo falar. Quando alguém fala do meu caso, eu respondo outra coisa, fico de bico calado (bouche cousue)”. Para se esquivar de uma transexualização que o ameaça, ele se identifica ilusoriamente a um homem ao acaso por meio da seguinte estratégia: “Antes eu incorporava os homens, seus espíritos (…) eu me coloco no interior dos homens, incorporo sua alma… então eu o deixo para incorporar outro”. Trata-se da oralidade do olhar: comandado por um olhar, ele abocanha e solta, como uma boca que absorve realmente os objetos.

Milou, perturbado pelo “mistério da linguagem”, ilustra a confusão das funções. Tal como Cary, a boca migra para dentro do corpo, onde se multiplica nas infinitas bocas das “mosaraignes[2]. Há palavras, neologismos, que comem o alimento ingerido e às quais ele atribui caráter real. Ele afirma que tudo que passa pelo cavum[3] é contaminado pelos neologismos e diz: “Cada respiração provoca um ‘sonuit’ maléfico, um perigo para o corpo”. Suas frases ilustram que a função vocal da oralidade, sem lastro simbólico, precipita-se em uma catástrofe real.

À luz desses fragmentos clínicos[4], o que pensar da oralidade psicótica? Diferenciam-se da oralidade dos neuróticos, para os quais a boca tem funções e objetos próprios? Como o psicótico considera seus orifícios cuja presença real coexiste, na sua fala, com a negação do funcionamento? No cavum coexistem as funções alimentar, respiratória e vocal da oralidade. Essa coexistência é normalmente óbvia, mas se daria o mesmo na psicose? A observação dos pacientes causa perplexidade e levanta questões.

Neste estudo a respeito da oralidade psicótica, a clínica do divã cede o passo a clínica em instituição psiquiátrica. Recorro ao pensamento de M. Czermak registrado em seus escritos e em transcrições do ensino oral em seminários. Em capítulo de seu livro Patronymies, considérations cliniques sur les psychoses, Czermak estuda a oralidade nas categorias nosográficas clássicas da mania e da melancolia – em especial a síndrome de Cotard. Veremos como o autor problematiza o registro da oralidade e a indistinção dos furos (despécification des trous) na psicose.

Organismo e discurso

Parece óbvio que nossos orifícios anatômicos coincidem com os furos topológicos. Nas melhores hipóteses, bem ou mal, eles se superpõem. Contudo, a experiência clínica demonstra que há sujeitos para os quais não há essa coincidência. Hipótese que implica a questão de saber o que é um furo para o parlêtre[5]. Para tentar respondê-la, Czermak avança uma fórmula que ele atribui a Lacan: « les pulsions ne se raccordent à nos orifices que par faveur anatomique »[6]. De fato, a coincidência entre os efeitos da linguagem e a anatomia não é da ordem do necessário. Um favor não equivale a uma obrigação e, efetivamente, o que nós consideramos ser orifícios naturais não os são senão em relação às nossas certezas neuróticas. Ora, há sujeitos preenchidos, plenos, que não possuem mais do que um orifício ou até mesmo nenhum, como veremos adiante.

Admitindo que a linguagem subverte o organismo biológico, Czermak, apoia-se em uma passagem[7] do L’étourdit, em que Lacan trata da pulsão, e afirma que um psicótico é alguém cujo funcionamento dos órgãos não está ordenado por um discurso. Ou seja, sem o discurso apropriado, nossos órgãos apresentam disfunções, fato que explica que há psicóticos com desordens biológicas gravíssimas ao ponto de se registrar casos de mortes súbitas sem razão aparente.[8]

Mania, objeto a e desaparecimento da pulsão

Czermak relata dois casos de mania em que os pacientes engoliam caoticamente a comida sem mesmo mastigá-la, ao ponto de acarretar asfixia por alimentos aspirados pela traqueia. O sistema orodigestivo não tinha seu funcionamento garantido por um discurso. Nas manifestações de dispraxia, rotas alteradas[9], oclusões, mortes súbitas, notam-se os efeitos da destruição do discurso que assegura a funcionalidade dos órgãos. Nesses casos, segundo Czermak, o discurso é descontinuado pela reintegração do objeto a na cadeia falada.

Ao passo que os objetos a lastreiam – por sua subtração – as funções vitais, nos casos considerados se dá o inverso e revela-se a ausência de toda naturalidade de uma funcionalidade pulsional, não mais lastreada pela subtração do objeto a que a colocaria em tensão. Para Czermak, nesse ponto, a pulsão não é a ferramenta conceitual adequada para compreender os imperativos psicóticos e o modo não fálico de gozo do corpo.

A mania é a psicose por excelência quando se trata de oralidade, de avidez, de gulodice, de “refeição totêmica”[10]. Há autores que levantam a hipótese, nesse caso, de uma “liberação pulsional”. Quanto à psicose, Czermak não se convence pela doxa freudiana e defende que, em vez de desintricação pulsional, trata-se de um desaparecimento ou deserção (défection) pulsional.[11]

A que assistimos em uma mania? Àquilo que a tradição alemã chama de “fuga das ideias”. A cadeia de significantes desorienta-se e discorre por homofonias e assonâncias, sem metáforas. Na lição de 3 de julho de 1963 do seminário L’Angoisse, Lacan fala da metonímia pura, infinita e lúdica da cadeia significante. O sujeito não mais apresenta ritmo, pulsação ou escanção apropriada. Nada fecha ou define a significação. Estamos diante de um descosturamento (décapitonnage): S (Ⱥ) é expelido.

Faltando a incorporação simbólica, é o real do objeto que ocupa o maníaco, haja vista a ausência do objeto não mais lhe servir como lastro. Nas palavras de Czermak:

En fait, faute justement d’incorporation symbolique, d’incorporation du père, c’est le réel de l’objet, qui ne le leste plus par son absence, qui vient l’occuper. Il est envahi par le torrent du “langage”, devenu objet réel, et du coup sans articulation, sans coordination, sans sériation, sans comptage.[12]

Czermak nos convida a não atribuir ao maníaco aquilo cuja autoria não lhe pertence, pois é ele que é o objeto devorado vivo pelo Outro. Em vez de dizermos que o maníaco come, exige, tiraniza, etc., seria mais apropriado dizer: isso (ça) o come, isso lhe exige, isso o tiraniza. O que seria então esse “isso”? O imperativo da demanda de a, porque não há para ele mais do que o a real que lhe comanda. Seu mundo é contingente e sem hierarquia funcional. Apelando aos matemas lacanianos, diremos que, não havendo mais S (Ⱥ), não há mais $ ◊ a (isto é, não há fantasia), e também $ ◊ D (não há mais demanda nem pulsão). O sujeito equivale ao objeto, que equivale a uma “demanda” imperativa e sem um além à demanda (sans au-delà). Sem S1 e S2, se todos os significantes são mestres, não há mais significante-mestre.[13]

Síndrome de Cotard e esfericidade

Por fim, Czermak ensina que os exemplos mais extremos da indistinção dos orifícios corporais ocorrem na síndrome de Cotard, uma melancolia gravíssima em que há a negação dos orifícios e dos órgãos ou até a negação da existência do sujeito que dirá: “Eu estou morto, eu não existo mais”, ou ainda que se acreditam imortais como um morto-vivo. Esse delírio de “negações” é a afirmação absoluta de um corpo que sofre de uma compacidade extrema: pleno, sem furo, que demonstra que a maior das dores é a de ser sem falta. Fenômenos habitualmente qualificados de hipocondríacos, Czermak refere-se a eles como “fenômenos de preenchimento”[14] dos orifícios (que o objeto reintegra).

Ainda nos casos de Cotard, há psicóticos cujos orifícios ditos naturais tendem a uma unicidade funcional[15], i.e., todas as funções são atribuídas a um só orifício. Em exemplos extremos há sujeitos que, em sua esfericidade negativa[16], acreditam ser plenos tendo as orelhas, os olhos, a boca, todos preenchidos, atingindo uma compacidade que o leva inevitavelmente a se perfurar, p. ex., com automutilações, ou como Czermak diria, a pedir que o sacrifiquem para com isso produzir um furo no universo.[17]

Em síntese, a síndrome de Cotard ilustra que não há nada óbvio a respeito do que seja um corpo, pois sua anatomia – no caso, de modo mais extraordinário do que a anatomia histérica imaginária – revela-se sob a dependência da queda do objeto que Lacan chamou objeto “a”, queda, cuja ausência gera um corpo sem orifícios e de uma densidade intolerável. Na hipótese de este objeto não ter sido subtraído pelo recorte fálico induzido pela operação do Nome-do-Pai, o corpo se erige em uma esfera. Em resumo, a síndrome de Cotard assinala a mais depurada estrutura do corpo psicótico. Nos termos utilizados por Czermak, não um corpo tórico, euclidiano, o corpo “em ereção” (trique) do neurótico, mas um corpo não euclidiano manifestando que em nada falta ao real, fora a falta ela mesma.[18]

Decorre claramente dos exemplos clínicos a especificidade da oralidade psicótica e a fortiori, a radical diferença da estruturação do corpo na psicose em relação à neurose. Sua particularidade, a confusão dos orifícios e dos objetos corresponde ao que é específico da psicose: os efeitos da preclusão[19] (forclusion) do Nome-do-Pai. A confusão dos objetos a, dos orifícios, dos registros da oralidade são epifenômenos da impossibilidade da metáfora paterna.

Bibliografia:

BELZEAUX Patrice, « La personnalité et la psychose maniacodépressive dans les Etudes psychiatriques d’Henri Ey », L’information psychiatrique, 2008/3 (Volume 84), p. 253-258. URL : https://www.cairn.info/revue-l-information-psychiatrique-2008-3-page-253.htm

CZERMAK Marcel, « Oralité et psychose » in: Patronymies. Considérations cliniques sur les psychoses, sous la direction de Czermak Marcel. Toulouse, ERES, « Psychanalyse », 2012, p. 151-202.

________________, « Remarques impertinentes sur l’objet a », La revue lacanienne, vol. 15, no. 1, 2014, pp. 127-135.

________________, « Pourquoi m’as-tu si mal foutu ? », Journal français de psychiatrie, 2002/3 (no17), p. 31-32. URL : https://www.cairn.info/revue-journal-francais-de-psychiatrie-2002-3-page-31.htm

________________, « Remarques cliniques sur la question de la vie et de la mort », Journal français de psychiatrie, 2010/4 (n° 39), p. 3-7. URL : https://www.cairn.info/revue-journal-francais-de-psychiatrie-2010-4-page-3.htm

________________, « Déspécification des trous du corps », Figures de la psychanalyse, 2004/2 (no10), p. 87-91. URL : https://www.cairn.info/revue-figures-de-la-psy-2004-2-page-87.htm

FRIGNET, Henri. “Traitement psychanalytique des psychoses”, Ecole Psychanalytique du Nord, Pas-de-Calais et de la Somme, le 26 novembre 2004. URL : http://ecole-psy-nord.asso.fr/texte/

LACAN, Jacques. “L’Angoisse”. URL: http://www.valas.fr/IMG/pdf/s10_l_angoisse.pdf

_____________. « Subversion du sujet et dialectique du désir dans l’inconscient freudien » URL: http://ecole-lacanienne.net/wp-content/uploads/2019/06/5-1960-66.-Lacan.-Subversion-du-sujet-et-dialectique-du-d%C3%A9sir-2019.pdf


[1] Marcel Czermak é “psychiatre des hôpitaux honoraire” no hospital Sainte-Anne de Paris, psicanalista, membro da Association Lacanienne Internationale-ALI e fundador da École psychanalytique de Sainte-Anne. É co-redator do Journal français de psychiatrie. Foi aluno e colaborador direto de J. Lacan, especialmente na teorização e tratamento da psicose.

[2] Musaranho é a designação comum a pequenos mamíferos insetívoros de pelagem densa, olhos pequenos, patas curtas e focinho longo e móvel. No francês, musaraigne.

[3] O cavum ou nasofaringe é a porção nasal da faringe, situada acima do palato mole e que se abre na cavidade nasal.

[4] Os excertos foram resumidos e traduzidos livremente a partir do capítulo “Oralité et psychose” do livro de Marcel Czermak, Patronymies. Considérations cliniques sur les psychoses, listado na bibliografia.

[5] Neologismo de J. Lacan em que se unificam as palavras francesas parler e être, cujo propósito, dentre outros, é de indicar que o ser humano é organizado pela linguagem e a fala.

[6] Czermak Marcel, « Déspécification des trous du corps », Figures de la psychanalyse, 2004/2 (n.10)

[7]Il n’y a pas rapport sexuel, ceci du fait qu’un animal a stabitat qu’est le langage, que d’habiter, c’est aussi bien ce qui, pour son corps, fait organe, organe qui pour ainsi lui ek-sister, le détermine de sa fonction ce, dès avant qu’il la trouve. C’est même de là qu’il est réduit à trouver que son corps n’est pas sans autres organes et que leur fonction, à chacun, lui fait problème, ce dont le schizophrène se spécifie d’être pris sans le secours d’aucun discours établi.”(Texto citado por Marcel Czermak em seu artigo « Remarques cliniques sur la question de la vie et de la mort », Journal français de psychiatrie, 2010/4 (n° 39), p. 3-7).

[8] Idem.

[9] Czermak refere-se a fausses-routes tão frequentes em pacientes melancólicos, em que, sem existir lesão nervosa, o objeto oral destinado ao trato digestivo passa pelos brônquios e aquele destinado aos brônquios passa pelo esôfago: indistinção do cavum que testemunha a unicidade do objeto na sua polivalência, apto a desorganizar a reflexologia.

[10] Citando o psiquiatra Henri Ey, Belzeaux esclarece a noção do repas totémique: « les profondes études de Binswanger nous renvoient nécessairement à la gloutonnerie, à la ‘grande gueule’, à cette insatiable soif de ‘tout avaler’ qui est (…) la base existentielle de la crise de manie. Le ‘repas totémique’, le ‘festin cannibalique’, l’incorporation de l’objet aimé sont bien les types mêmes de cet appétit libidinal primitif qui se rue sur son objet et le dévore pour en jouir de telle sorte que la conquête du monde maniaque des objets se fait ici ‘tout de go’, dans l’élan d’un immense besoin de se rendre maître de tout, de tous et de soi-même. » (Belzeaux Patrice, « La personnalité et la psychose maniacodépressive dans les Etudes psychiatriques d’Henri Ey », L’information psychiatrique, 2008/3 (Volume 84), p. 253-258.)

[11] Marcel Czermak ensina que, desaparecendo o primado fálico, as pulsões não se desintricam, elas pura e simplesmente desaparecem.

[12] CZERMAK Marcel, « Oralité et psychose » in: Patronymies. Considérations cliniques sur les psychoses, sous la direction de Czermak Marcel. Toulouse, ERES, « Psychanalyse », 2012, p. 165.

[13] Idem, p. 169.

[14] Idem, p. 200.

[15] Czermak relata:”J’ai connu le cas d’un transsexuel très particulier. Il s’agissait d’une transsexualisation imaginative limitée à l’hémicorps inférieur qui l’amenait à bénéficier d’une espèce de rotondité pleine munie d’un seul orifice, une espèce de cloaque anatomique et qui accomplissait pour lui-même toutes les fonctions de fécondation, d’ingestion, d’excrétion”. (Czermak Marcel, « Déspécification des trous du corps », Figures de la psychanalyse, 2004/2 (no10).

[16] Czermak Marcel, « Déspécification des trous du corps », Figures de la psychanalyse, 2004/2 (no10).

[17] Idem.

[18]Non pas le corps torique, euclidien, le corps “trique” du névrosé, mais un corps non euclidien manifestant qu’il ne manque rien au réel, fors le manque lui-même.” In CZERMAK Marcel, « Oralité et psychose » in: Patronymies. Considérations cliniques sur les psychoses, sous la direction de Czermak Marcel. Toulouse, ERES, « Psychanalyse », 2012, p. 173.

[19] Embora o termo “foraclusão” ter sido consagrado nos textos psicanalíticos brasileiros, proponho a palavra preclusão para traduzir forclusion. Como Lacan utilizou o termo jurídico francês forclusion, utilizo o equivalente português. Compare o significado de ambos nos respectivos vernáculos. Forclusion : forme particulière de déchéance faisant perdre à une personne la faculté d’exercer un droit par suite de l’expiration d’un délai (CNRTL). Preclusão: impedimento de se usar determinada faculdade processual civil, seja pela não-utilização dela na ordem legal, seja por ter-se realizado uma atividade que lhe é incompatível, seja por ela já ter sido exercida. (Houaiss).